5 Ritmos

São Paulo: 06 e 07 de junho
Osheanic: 11 a 14 de junho (Corpus Christi)

com Erik Iversen

MEDITAÇÃO EM MOVIMENTO

5Ritmos é uma prática dinâmica de movimento – uma prática de estar em seu corpo – que desperta criatividade, conexão e comunidade.

Embora seja um processo aparentemente simples, a prática do 5Ritmos facilita explorações profundas e intermináveis, movendo o dançarino além das limitações auto-impostas e do isolamento para novas profundidades de criatividade e conexão.

Cada ritmo é interpretado pelos indivíduos de uma maneira exclusivamente pessoal, abrindo-os para um novo senso de liberdade e a possibilidade do surpreendente e da cura, emocionante e profundamente restauradora. É, em sua essência, “um exercício para o lado direito do cérebro”.

“Coloque sua mente em seus pés e
seu corpo na batida”

—GABRIELE ROTH

Quando praticamos o 5Ritmos, aprendemos a expressar criativamente a agressividade e a vulnerabilidade, emoções e ansiedades, dores e êxtase. Ele nos reconecta aos ciclos de nascimento e morte e nos conecta à humanidade e ao espírito de todos os seres vivos. No contexto do grupo, criamos conexão e comunidade e aprimoramos nossos instintos e intuições. Somos constituídos por todas as esferas da vida – todas as culturas, religiões, raças, gênero, idade e preferências sexuais são bem-vindas.

5Ritmos transcende a dança. O movimento é o remédio, a meditação e a metáfora. Juntos, descascamos as camadas, tiramos máscaras e dançamos até desaparecermos… Apenas para nos redescobrir durante tudo isso.

OS 5RITMOS

Os 5Ritmos – Flowing-Staccato-Chaos-Lyrical-Stillness® – são estados de Ser. Eles são um mapa para todos os lugares que queremos ir, em todos os planos da consciência – interior e exterior, para frente e para trás, físicos, emocionais e intelectuais.

São marcadores no caminho de volta a um eu real, um eu vulnerável, selvagem, apaixonado, instintivo.

FLOWING

No “FLOWING”, praticamos fisicamente a arte de ser fluido em nossos corpos. Fluir é o oleoduto da nossa verdade interior, o impulso de seguir o fluxo da própria energia, de ser verdadeiro consigo mesmo – ouvindo e atendendo às nossas necessidades, receptivo aos nossos mundos interno e externo. Quando nos abrimos para o fluxo de nossos seres físicos, todos os outros caminhos se abrem. É uma das maneiras mais bonitas e fascinantes de dançar – estar, estar por perto e assistir.

STACCATO

Em “STACCATO”, praticamos fisicamente o poder da energia masculina. É percussivo e forte e promove a conexão com o resto do mundo. Staccato é a porta de entrada para o coração. Isso nos mostra como sair para o mundo conectado aos nossos pés e sentimentos. Esse ritmo é o governante do nosso mundo linear, o governante da parte guerreira de nós, a parte de nós que aparece como verdade e clareza. É a parte de nós que defende o que nos importa, quem amamos e o que amamos.

Staccato é o feroz professor de limites. É também o protetor e embaixador do nosso ser fluido. Visualmente, um homem ou uma mulher plenamente incorporada no ritmo de Staccato é definido, claro, conectado e não tem medo da expressão transparente de seu coração. Dançar Staccato sozinho, em parceria ou em grupo – é sempre uma experiência poderosa.

CHAOS

No “CHAOS”, praticamos fisicamente a arte de liberar completamente nossos corpos – soltamos a cabeça, a coluna, os quadris e os pés e nos movemos mais rápido do que podemos imaginar. O caos nos liberta de nossas ilusões e nos lança de cabeça na batida. Leva-nos na jornada de “eu não posso” ao “eu vou”. As práticas simples do “CHAOS” nos trazem imediatamente de volta ao nosso corpo, ao momento. Esse ritmo nos liberta de todas as idéias sobre quem somos e nos dá uma experiência real de ser total, livre, intuitivo e criativo.

O “CHAOS” é a porta de entrada para a grande mente. Dançar o “CHAOS” é a prática de entrar no desconhecido, sem temer o que está do outro lado. Visualmente, parecemos uma grande bagunça, quente, gigante e suada, transbordando de energia catártica. Esta é a nossa grande dança, nossa dança revolucionária, nossa ruptura através da dança.

LYRICAL

No “LYRICAL”, praticamos a arte de sair do caos. É o renascimento físico, energético, emocional e espiritual da dança. A prática do Lyrical nos ensina como romper com os padrões destrutivos e nos render às profundezas do fluido, repetições criativas do nosso eu emotivo, borbulhando dos lugares mais profundas de nós mesmos, para a integridade e dignidade que muitas vezes esquecemos que está dentro de nós.

Lyrical é expansivo e nos conecta à nossa humanidade, ritmos atemporais, repetições, padrões e ciclos. O Lyrical é mais um estado de ser do que um Ritmo, pois pode ser uma expressão clara de qualquer um dos Ritmos em sua leveza. Tornamo-nos leves em nossos pés, como pássaros voando no ar – mas não se engane, no Lyrical somos aterrados e totalmente capacitados.

STILLNESS

Ficar parado e não fazer nada são coisas totalmente diferentes. “STILLNESS” é a quietude que se move, dentro e ao redor de nós. A dança é o nosso veículo, nosso destino é o ritmo da quietude; nosso desafio é ser uma embarcação que continue se movendo e mudando. Fisicamente, na dança da quietude, nos movemos em câmera lenta – como mestres de Tai Chi meditativos altamente imprevisíveis. Formas do passado, presente e futuro surgem através de nós – formas do Feminino e do Masculino e a dança mágica que eles fazem juntos. Mudar-se para a quietude e permanecer em movimento funde o acúmulo de experiências de vida de nossos corpos em nossa verdadeira sabedoria. Eventualmente, nós nos dissolvemos em meditação sentada, onde todos os outros ritmos de nossa jornada convergem na ressonância vital da quietude.

Cada vez que dançamos na quietude, praticamos a arte de criar finais humildes e conscientes, interpretados por nosso eu mais conectado. Isso leva a todos os nossos finais na vida – o fim desta dança, deste dia, deste relacionamento ou deste ciclo de vida. Bons finais significam assumir a responsabilidade por toda a jornada, destilando a sabedoria de nossa experiência, para que possamos começar a próxima onda ou dar um ciclo limpo e não carregar o passado conosco.

FLOWING

No “FLOWING”, praticamos fisicamente a arte de ser fluido em nossos corpos. Fluir é o oleoduto da nossa verdade interior, o impulso de seguir o fluxo da própria energia, de ser verdadeiro consigo mesmo – ouvindo e atendendo às nossas necessidades, receptivo aos nossos mundos interno e externo. Quando nos abrimos para o fluxo de nossos seres físicos, todos os outros caminhos se abrem. É uma das maneiras mais bonitas e fascinantes de dançar – estar, estar por perto e assistir.

Homens e mulheres que incorporam o Ritmo do fluxo são flexíveis, resilientes, se rendem e confiam em seus pés para levá-los aonde devem ir.

STACCATO

Em “STACCATO”, praticamos fisicamente o poder da energia masculina. É percussivo e forte e promove a conexão com o resto do mundo. Staccato é a porta de entrada para o coração. Isso nos mostra como sair para o mundo conectado aos nossos pés e sentimentos. Esse ritmo é o governante do nosso mundo linear, o governante da parte guerreira de nós, a parte de nós que aparece como verdade e clareza. É a parte de nós que defende o que nos importa, quem amamos e o que amamos.

Staccato é o feroz professor de limites. É também o protetor e embaixador do nosso ser fluido. Visualmente, um homem ou uma mulher plenamente incorporada no ritmo de Staccato é definido, claro, conectado e não tem medo da expressão transparente de seu coração. Dançar Staccato sozinho, em parceria ou em grupo – é sempre uma experiência poderosa.

CHAOS

No “CHAOS”, praticamos fisicamente a arte de liberar completamente nossos corpos – soltamos a cabeça, a coluna, os quadris e os pés e nos movemos mais rápido do que podemos imaginar. O caos nos liberta de nossas ilusões e nos lança de cabeça na batida. Leva-nos na jornada de “eu não posso” ao “eu vou”. As práticas simples do “CHAOS” nos trazem imediatamente de volta ao nosso corpo, ao momento. Esse ritmo nos liberta de todas as idéias sobre quem somos e nos dá uma experiência real de ser total, livre, intuitivo e criativo.

O “CHAOS” é a porta de entrada para a grande mente. Dançar o “CHAOS” é a prática de entrar no desconhecido, sem temer o que está do outro lado. Visualmente, parecemos uma grande bagunça, quente, gigante e suada, transbordando de energia catártica. Esta é a nossa grande dança, nossa dança revolucionária, nossa ruptura através da dança.

LYRICAL

No “LYRICAL”, praticamos a arte de sair do caos. É o renascimento físico, energético, emocional e espiritual da dança. A prática do Lyrical nos ensina como romper com os padrões destrutivos e nos render às profundezas do fluido, repetições criativas do nosso eu emotivo, borbulhando dos lugares mais profundas de nós mesmos, para a integridade e dignidade que muitas vezes esquecemos que está dentro de nós.

Lyrical é expansivo e nos conecta à nossa humanidade, ritmos atemporais, repetições, padrões e ciclos. O Lyrical é mais um estado de ser do que um Ritmo, pois pode ser uma expressão clara de qualquer um dos Ritmos em sua leveza. Tornamo-nos leves em nossos pés, como pássaros voando no ar – mas não se engane, no Lyrical somos aterrados e totalmente capacitados.

STILLNESS

Ficar parado e não fazer nada são coisas totalmente diferentes. “STILLNESS” é a quietude que se move, dentro e ao redor de nós. A dança é o nosso veículo, nosso destino é o ritmo da quietude; nosso desafio é ser uma embarcação que continue se movendo e mudando. Fisicamente, na dança da quietude, nos movemos em câmera lenta – como mestres de Tai Chi meditativos altamente imprevisíveis. Formas do passado, presente e futuro surgem através de nós – formas do Feminino e do Masculino e a dança mágica que eles fazem juntos. Mudar-se para a quietude e permanecer em movimento funde o acúmulo de experiências de vida de nossos corpos em nossa verdadeira sabedoria. Eventualmente, nós nos dissolvemos em meditação sentada, onde todos os outros ritmos de nossa jornada convergem na ressonância vital da quietude.

Cada vez que dançamos na quietude, praticamos a arte de criar finais humildes e conscientes, interpretados por nosso eu mais conectado. Isso leva a todos os nossos finais na vida – o fim desta dança, deste dia, deste relacionamento ou deste ciclo de vida. Bons finais significam assumir a responsabilidade por toda a jornada, destilando a sabedoria de nossa experiência, para que possamos começar a próxima onda ou dar um ciclo limpo e não carregar o passado conosco.

Mapa 5RITMOS

MANDALA MEDICINA DE GABRIELE ROTH

Os 5Ritmos são mapas simples, definidos e espaçosos para a exploração pessoal. Mergulhar nesses mapas nos dá tempo e espaço para nos deleitarmos nos ensinamentos, focar em uma meta, romper a resistência e dançar até o além. Uma oportunidade de se mover de maneira consciente, imprevisível e criativa com almas com idéias semelhantes.

“Todos nós compartilhamos a ferida da fragmentação. E todos podemos compartilhar a cura da unificação. A cura é a unificação de todas as nossas forças – os poderes de ser, sentir, conhecer e ver.”

—Gabrielle Roth

DEPOIMENTOS

“Erik é um homem de cura brilhante, sensível e inspirado. Suas mãos escutam profundamente e ele vê o corpo com extrema ternura e amorosidade.

—Gabrielle Roth – Criadora do 5RITMOS

“Erik nos convida a um mergulhar profundo dentro nós. Ele possui uma incrível sensibilidade ao ver corpos em movimento.”

—Fernando Azevedo

“A experiência de dançar os 5Ritmos com Erik me levou a me abrir  internamente para que a ousadia, criatividade e a presença pudessem ter uma expressão mais forte na minha vida. Ao longo de todos os workshops  eles proporcionaram um espaço de segurança e confiança que me permitiu dançar com todo o meu Ser.”

—Rosa Valgode

FACILITADOR

Erik Iversen (Canadá)

Erik é professor de 5RITMOS e praticante da Integração Estrutural de Hellerwork há quase 30 anos. Seu ensino é essencialmente um convite e expressão do amor próprio através da dança, sentimento e ser. Ele observou milhares de corpos, tanto na dança quanto nos padrões de movimento que vê em sua prática de trabalho corporal. A partir deste conjunto de conhecimentos, Erik apresenta os elementos básicos do movimento por meio de explorações de desenvolvimento, anatomia central e integração estrutural.

Uma vez que tenhamos todo um senso de nosso corpo, ele facilita o caminho para uma personificação agradável e expressiva através da descoberta sensorial, criatividade e da brincadeira. 

Erik se sente muito afortunado por ter co-fundado o primeiro 5Rhythms Teacher Training em 1988 no qual, até os dias atuais, continua lecionando treinamentos.

PARA MAIS INFORMAÇÕES, POR FAVOR PREENCHA O FORMULÁRIO ABAIXO.



    NOS ENCONTRE NAS REDES SOCIAIS